terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Novas regras de arbitragem: o bicho vai pegar.

O Árbitro Internacional Antônio Bento publicou no Blog do Disconzi (http://rodrigodisconzi.blogspot.com/) um comentário interessantissimo sobre as principais mudanças que deverão ser adotadas ainda este ano nos torneios oficiais. As novas regras de arbitragem (ainda dependendo de aprovação) em alguns pontos são, no meu entendimento, polêmicas, em outros absolutamente necessárias. A seguir transcrevo o texto do Mestre (na íntegra):

-----------------------------
Vou comentar algumas das idéias da FIDE em parênteses, logo após o texto original em negrito:
1) Partidas no ritmo de 60 minutos para cada jogador passam a ser ritmo pensado.

(Valerão rating? A tendência nos últimos anos tem sido encurtar o tempo das partidas, para tentar deixar o xadrez mais viável para a mídia e para o público não-enxadrista, talvez pensando em transmissões ou nos patrocinadores que querem atingir sempre um público maior. Infelizmente esta tendência cai em cima dos jogadores, que são obrigados a jogar sob maior pressão e cometem mais erros em partidas curtas.

Isso é emocionante para quem assiste, mas na minha opinião o ritmo 90 + 30 é muito rápido para ser usado em torneios importantes.

Quem joga sabe que somente é possível jogar um final com certa qualidade neste ritmo se a abertura for jogada "ao toque" e no meio jogo as peças forem trocadas rapidamente.

Na maioria das partidas a definição ocorre na tensão do meio jogo e o final nem acontece (ou um dos lados está ganho.

Atualmente a maioria dos grandes torneios são transmitidos pela internet e a audiência é incrível. As pessoas acompanham as partidas em casa ou no trabalho. Até acho que quanto mais demorada a partida, mas fácil de se acompanhar pela internet caso você esteja com outra atividade paralela.)

2) Jogador que não chegar no horário marcado para o início da partida perderá a partida. A tolerância será zero para atraso.

(Interessante. Os outros esportes prezam essa regra e acho que deveríamos nos igualar, porincipalmente por respeito a quem assiste, ao adversários e aos organizadores dos eventos. O problema aqui será o de se acostumar e adaptar a regra aos poucos, talvez com advertência primeiro e depois perda do ponto. Velhos costumes são difíceis de se mudar de uma hora para outra. Outro problema: em torneios abertos, o público é variado e a maioria dos jogadores estuda ou trabalha, sujeitos a atrasos involuntários. Acredito que essa regra deveria valer principalmente para os profissionais.)

3) O árbitro deverá corrigir os tempos de relógios que estejam incorretos.

4) O regulamento de uma competição poderá especificar que os jogadores não poderão empatar de comum acordo num determinado número de lances (ou mesmo não poderão empatar em hipótese alguma), sem o consentimento do árbitro.

(Respeito ao público e aos patrocinadores em detrimento à vontade dos jogadores, mesmo assim apoio totalmente a idéia. Como efeito colateral, muita gente vai aprender mais xadrez em vez de empatar por medo de perder cada vez que se sentir inseguro numa dada posição. Jogadores irão jogar com mais objetividade e resistência, pois jogar finais empatados nem sempre é tão fácil como possa parecer.)

5) A punição para reivindicações de empate para repetição de posições (9.2) e 50 lances (9.3) será apenas de acréscimo de 3 minutos para o adversário do jogador reivindicante.

6) Nas reivindicações de empate com base no art. 10.2, o jogador deverá chamar o árbitro e poderá (ou não) parar os relógios. Na lei atualmente em vigor, o jogador era obrigado a parar o relógio antes de chamar o árbitro.

(Essa regra é bastante prática e útil. Muitos árbitros seguiam a regra ao pé da letra e não aceitavam a reclamação pois o jogador não havia parado o relógio. Outro problema que ainda ocorre é quando em posição obviamente empatada e morta, um dos lados não pára o relógio e pede empate ao adversário (ou simplesmente fala aos sete ventos que a partida é empate). Por mais que a partida esteja totalmente empatada, o adversário pode recusar a oferta de empate. Se cair o tempo perde a partida, pois o procedimento correto é solicitar o empate ao árbitro antes de cair a seta.

Na prática o regulamento do 10.2 é extremamente complicado, cabendo ao árbitro excesso de responsabilidade e decisão em cada caso (que nunca são iguais).

Acredito que com a utilização e relógios digitais com acréscimos e com a proibição de oferecer ou pedir empate esse problema acabe.)

7) Durante a partida, celulares deverão estar desligados. O jogador entretanto perderá a partida, se o celular soar.

(Então será possível carregar o celular para dentro do salão de jogo ?)

8) O jogador poderá apelar contra qualquer decisão do árbitro, a menos que regulamento da competição especifique de outra forma.

9) Expectador pode informar ao árbitro (e somente a ele) se observar alguma irregularidade durante a partida.

10) Foi estendida a todos a proibição de portar qualquer dispositivo eletrônico na sala de jogo e áreas contíguas, a menos que devidamente autorizados pelo árbitro.(Então não pode mesmo levar o celular?)

11) O ritmo das partidas de rápido passa a ser de 15 minutos a menos de 60 minutos.

12) Nas partidas de xadrez rápido (será aplicável também às partidas de blitz) se houver adequada supervisão da arbitragem (em pelo menos 3 partidas) as regras de competição se aplicam.(A arbitragem poderá intervir em todos os casos das partidas de xadrez pensado).

13) Na partida de rápido (e de blitz) em que não haja adequada supervisão de arbitragem, o árbitro poderá intervir se as duas setas estiverem caídas; nas partidas de blitz lances ilegais não poderão ser corrigidos a menos que os jogadores concordem.

14) Será facultativa a anotação, na planilha, de: xeque, xeque-mate ou captura de peça.

15) Criada alínea no Apêndice da Lei, regulando o xadrez randômico (Chess960).

Para ler este artigo no Blog do Disconzi acesse o link:
http://rodrigodisconzi.blogspot.com/2008/12/novas-regras-para-2009.html

6 comentários:

  1. "2) Jogador que não chegar no horário marcado para o início da partida perderá a partida. A tolerância será zero para atraso."

    o_O?

    Adeus Xadrez Pensado!

    -_-?

    ResponderExcluir
  2. Essa questão do atraso depende muito de uma adaptação, mas é tipo assim, se você sabe que tem um compromisso em tal horário tem que se adequar a ele. o problema é que o brasileiro tem mania de chegar RIGOROSAMENTE ATRASADO.

    ResponderExcluir
  3. olha esse artigo:
    9) Expectador pode informar ao árbitro (e somente a ele) se observar alguma irregularidade durante a partida.
    eita que o bironga vai se esbanjaaaaarrrrr
    coitados dos arbitros
    huaiauhiaauihauaiahiuahaiuhaiauhaiuhaiuahiauhaiuhaiuahaiuhaiuahiahai

    ResponderExcluir
  4. "O regulamento de uma competição poderá especificar que os jogadores não poderão empatar de comum acordo num determinado número de lances (ou mesmo não poderão empatar em hipótese alguma), sem o consentimento do árbitro." Gostei bastante desse artigo, isso deverá acabar com os acordos "esdruchulos" que atualmente existem nos torneios, ou se não acabar, pelo menos vai dificultar muito tal atitude de alguns jogadores que têm essa prática.

    ResponderExcluir
  5. Para ler na íntegra o texto da nova lei acesse o site da Federação Cearense de Xadrez através do link a seguir: http://www.xadrezcearense.com.br/lei_xadrez_2009_previa.php - deleitem-se

    ResponderExcluir
  6. O que deveria ser mudado e ainda não foi... é LANCE impossível PERDE!

    Deveria perder em qualquer cadência, não só no blitz.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...